Terça-feira, 4 de Fevereiro de 2014

Perdeu-se.

Um borrão negro e profundo impossibilitava-me de ver alguma coisa, por momentos lembrei-me a alma do Diabo de tão semelhares que eram. Negro, profundo, sombrio. Não, não era a alma do Diabo que se assemelhava, era a minha. Sentia-a a sair-me do peito, partiu-se em quatro bocados incandescentes, cada um deles significava todo o amor, inocência, esperança e coragem que um dia perderam-se naqueles pálidos e tristes dias. Lembro-me de como o sol espreitava por entre as nuvens enraivecidas e chorosas, ameaçando explodir a qualquer instante de tão negras que estavam, tal como a minha alma já perdida. Alma vingativa, alma rancorosa, alma impura e imunda, nela incorporados os sete pecados mortais. Mas já nada importava, foi-lhe arrancada qualquer resto de vida, é agora inexistente, com pouca ou nenhuma história para contar.

Já não é nada, nunca foi nada, nem nada será.

with love, hope às 22:41
link | comentar | favorito
4 comentários:
De filipa. a 5 de Fevereiro de 2014 às 00:19
tenho de te dizer isto, e acredita que o digo com toda a sinceridade do mundo...adoro os teus textos. super bem escritos e cheios de magia :)
De filipa. a 5 de Fevereiro de 2014 às 17:12
só disse a verdade querida :)
De Eva a 5 de Fevereiro de 2014 às 18:07
no fundo do poço.
De Eva a 6 de Fevereiro de 2014 às 19:18
não há nada para dizer, querida. estou sozinha e não há quem me acuda. o meu porto de abrigo deixou-me.

Comentar post

hope © 2010 - 2017